quarta-feira, 7 de junho de 2017

O que as crianças aprendem brincando

⇨Brincar estimula o desenvolvimento emocional e social

Um grande benefício do brincar é que ele ajuda as crianças a trabalharem eventos emocionais difíceis.  Muitas das vezes elas escolhem temas sobre os quais buscam ganhar controle, como quando elas reencenam um conflito ocorrido com um amigo.

Esse tipo de brincadeira, muito frequente entre as crianças permite suspender a realidade e reconhecer que as coisas nem sempre são o que parecem ser.  Quando conseguimos pensar sobre lugares e histórias criadas por nossas mentes em vez de estritamente sobre o que podemos tocar, ou segurar desacoplamos o pensamento da percepção e começamos a construir mundos interiores.  Dessa forma as crianças podem manobrar o fluxo dos eventos da maneira que desejarem e também expressar as coisas sobre as quais ainda não têm capacidade de falar com adultos.

Por meio do brincar, as crianças desenvolvem habilidades que permitem que elas lembrem de fatos, usem símbolos, criem regras, dirijam suas brincadeiras e usem a imaginação.  É daí que surgem uma linguagem mais rica, enredos de histórias, a memória, o poder de concentração e o planejamento.

Na junção em que o social encontra o intelectual, crianças felizes se tornam crianças inteligentes e aprendem a lidar com sentimentos, a fazer do mundo grande e confuso um mundo pequeno e manejável; sabendo dar a vez ao outro e a cooperar uns com os outros.



Adriana Jatobá


quarta-feira, 6 de julho de 2016

Aprender brincando

Aprender brincando é mais divertido para toda criança.  Por isso, a Fundação Dorina Nowill para Cegos desenvolveu o Braille Brinks: peças ao estilo do brinquedo Lego adaptadas para corresponderem a cada letra do alfabeto, ajudando no aprendizado de crianças que não enxergam ou com baixa visão.  Aí, montar e descobrir as letras vira brincadeira.  "Nas escolas existem as máquinas de escrever que perfuram o papel. Com as pecinhas é diferente.  Se eu errei, tiro uma e coloco outra no lugar", observa Arthur Sacek, especialista em desing de Lego e que trabalhou no projeto.  Hoje o Braille Briks já ajuda 300 crianças em várias instituições e a proposta da Fundação é influenciar fabricantes de diversos países a produzir o acessório.
Quem quiser participar da campanha e incentivar a adoção em mais países, pode usar a # Braille BricksForAll nas redes sociais.  Um exemplo sensível de como é possível transformar a relação das crianças com o aprendizado de forma lúdica, para além de qualquer limitação.

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Muitas crianças da África do Sul não têm como levar livros e cadernos para para a escola por falta de mochila.  Além disso, à noite, não conseguem fazer a lição pela ausência de eletricidade em casa. Diante dessa realidade, três mulheres sul-africanas criaram a Repurpose School Bag, uma bolsa resistente e feita com materiais recicláveis. Junto à mochila existe ainda um pequeno painel solar que retém a luz natural, captada no trajeto entre a casa e a escola. Essa energia é suficiente para alimentar uma lâmpada por até 12 horas. A ótima invenção tem garantido o estudo de vários estudantes.

Revista Vida Simples/dezembro 2015

terça-feira, 26 de abril de 2016

quarta-feira, 16 de março de 2016

Dia a dia com ela

Veja o que você pode fazer para ajudar sua filha a transpor as dificuldades impostas pelo transtorno:


  • Crianças com TDAH precisam de regras e organização.  Estabeleça horários fixos para as atividades.  Marque o cronograma diário em um mural e insista para que ela use uma agenda.
  • Sugira aos educadores da sua filha que combinem gestos discretos para alertá-la quando estiver desatenta.  Ela certamente irá recuperar o foco, sem necessidade de repreensão na frente dos colegas.
  • Por necessitar tanto de rotina, as pacientes, têm dificuldade em lidar com imprevistos.  Explique que, de vez em quando, eles acontecem e ensine a lidar com a frustração e a raiva.
  • Pode ser que ela precise ser lembrada, todos os dias, de escovar os dentes ou de apertar a descarga, por exemplo.  Que tal pregar bilhetes na parede ou programar alarmes no celular?
  • Você vai ter que ajudar no checklist.  Confira com ela, todas as noites, se o material do dia seguinte está em ordem.
  • Jogos de estratégia, como o da velha, xadrez e outros de tabuleiro, exercitam a atenção e são ótimos estímulos.
  • O local de estudo tem de ser limpo, sem estímulos visuais, para evitar dispersão.  Lembre-se que a criança com TDAH não consegue se concentrar por muito tempo.  Ou seja, tudo bem se ela fizer uma pausa a cada 20 minutos para tomar água, desde que retome a atividade e mantenha um bom ritmo.  Só não vale largar a tarefa para ver televisão, por exemplo.


Fonte: Cynthia Wood, psicóloga e psicopedagoga da Associação Brasileira de Pedagogia